Livro_Pensando_a_vida

Livro_Pensando_a_vida

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Às vezes me sinto inadequado, e você?

Salmo 137.1-4
“Junto aos rios da Babilônia nós nos sentamos e choramos com saudade de Sião.  Ali, nos salgueiros penduramos as nossas harpas;  ali os nossos captores pediam-nos canções, os nossos opressores exigiam canções alegres, dizendo: “Cantem para nós uma das canções de Sião!”  Como poderíamos cantar as canções do Senhor numa terra estrangeira?" 

Eu sei que existem pessoas com problemas muito maiores do que os meus, e não se deprimem por isso, mas há dentro de mim um sentimento de inadequação. Um coisa existencial. Eu me sinto como o personagem do Selton Mello no seu filme,  o palhaço. Ele representa uma personagem muito interessante, seu nome é Benjamim, um palhaço que perdeu a graça, que deixa o circo para tentar outras coisas. 

Eu me sinto assim, como um palhaço que perdeu a graça. Não que considere ou compare o ministério com um trabalho de palhaço, ou mesmo o púlpito com um picadeiro, estou falando de sentimentos parecidos.  

Eu acho que quando os hebreus estavam presos em Babilônia estavam com um sentimento assim também. As pessoas de lá conheciam a fama dos hebreus com seus louvores, eu não acredito que eles estavam debochando deles quando pediam as canções na babilônia, mas que estavam esperando sinceramente que eles cantassem as lindas canções hebraicas, os louvores ao Deus dos hebreus.

As pessoas esperam que o palhaço as faça rir, o povo da babilônia que os hebreus cantassem, e de mim? As pessoas esperam algo de mim que não tenho conseguido lhes dar, me sinto como os hebreus, que não conseguiam cantar, pois pensavam não poder na babilônia. Como o palhaço que achava que não tinha mais graça para oferecer aos seus ouvintes. Estou me sentindo inadequado, como alguém que não tem condições de corresponder a expectativa alguma.  

O palhaço do filme fez o caminho de volta para o circo, e ali encontrou novamente o seu dom de fazer os outros rirem. O povo voltou a cantar, veja no Salmo 126 (está invertida a ordem). Eu preciso me levantar e fazer aquilo que Deus me chamou para fazer, fazer o que muitos esperam que eu faça, que exerça o meu ministério.

Você já se sentiu assim?

Eu quero voltar, sair deste quadro de inadequação existencial...


E você?


JM

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Coragem para deixar tudo e seguir

Lucas 5.9-11: “Pois ele e todos os seus companheiros estavam perplexos com a pesca que haviam feito, como também Tiago e João, os filhos de Zebedeu, sócios de Simão. Jesus disse a Simão: “Não tenha medo; de agora em diante você será pescador de homens”. Eles então arrastaram seus barcos para a praia, deixaram tudo e o seguiram.”

Muita gente hoje em dia passa a vida toda correndo atrás do sucesso profissional, correm de um curso ao outro deixando de viver muitas coisas boas. Deixam de lado a família, os amigos e tudo que julgam roubar-lhes o foco. Dizem que a situação é temporária, logo que alcançar aquele posto tão sonhado ela vai poder descansar e curtir família e amigos. Mas percebemos que este tão esperado dia nunca chega, o sonho da realização profissional sempre tem um degrau, um curso, uma pós-graduação, um MBA, uma viagem, um estágio e por aí vai.

No texto acima encontramos pescadores diante da maior pesca de suas vidas. Talvez se vendessem todo o peixe apanhado por eles poderiam fazer novos investimentos, comprar novos barcos e redes, levantar a sua empresa de pesca, quem sabe até organizar um mercado de peixes. Com certeza o faturamento ia aumentar muito, e certamente suas vidas mudariam da água para o vinho. Quem sabe a realização profissional estaria naquela pesca maravilhosa. O resultado de um milagre estava diante dele, muitos peixes.

Mas Jesus os chamou para outra coisa, algo não tão promissor financeiramente. Pescadores de homens, evangelistas, seguidores de alguém que não estava preocupado em se tornar um grande nome, que dizia não ter onde reclinar a cabeça. Um chamado cheio de riscos. Os pescadores não hesitaram diante do chamado, deixaram tudo e seguiram a Jesus. Mateus não era pescador, mas tinha uma vida profissional muito lucrativa, era um coletor de impostos, quando Jesus o chama ele estava na coletoria, ele também deixa tudo e segue a Jesus.

Aceitar o chamado de Deus é correr riscos. Muitos têm medo, então inventam desculpas, dizem que podem fazer muito mais para o Reino de Deus financeiramente, por isso se dedicam ao trabalho. Sabemos que não é assim, a maior parte das pessoas mais se afasta de Deus depois que alcança certo nível financeiro.

Tenha a coragem de Pedro e seus amigos, siga a Jesus. Eles deixaram tudo na praia, a vida deles dependia da pesca, mas depois de responderem ao chamado ele estavam colocando os seus cuidados nas mãos do Senhor, ou seja, o sustento de suas famílias viria da confiança naquele que os chamou. Deixaram tudo na praia, e seguiram o chamado de se tornarem pescadores de homens.

Que tenhamos coragem de confiar e responder sim ao chamado de Deus para nós.


JM

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Esperar e apressar...

"Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa,
esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor."


2 Pedro 3:11-12

Como você tem vivido a sua vida? Que tipo de vida você leva? Em santidade e piedade? Esperando e apressando a vinda do Senhor? Vivendo para que? Vivendo para quem? Será que você não tem tratado a volta de Jesus como uma lenda? Uma fábula? ? Estas são as perguntas que fiz para eu mesmo diante do texto acima. Agora as faço para você.

Muitos no tempo em que Pedro escreveu a sua carta muitos crentes estavam pensando assim, e passaram a viver de qualquer jeito, vivendo para si mesmos. Pedro chama aos seus leitores daquele tempo a atenção ao tipo de vida que estavam levando e a cada uma de nós à responsabilidade, para vivermos uma vida que glorifique ao Senhor, e ao mesmo tempo apresse a sua vinda.

O maior e mais importante evento do mundo é a boda do Cordeiro, a volta de Jesus depende da nossa vida, vivendo em santidade e piedade e pregando o Evangelho, pois Jesus mesmo disse que a volta só acontecerá quando todos já tiverem ouvido a mensagem do Evangelho (Mt 24.14).

Que possamos viver assim, esperando e apressando a volta de Jesus, tratando o assunto com seriedade e temor, não como uma fábula ou conto de fadas. A volta de Jesus e o Julgamento  é fato já consumado na história de Deus, na Eternidade.

Que a nossa vida seja para a Glória de Deus!


JM

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O jeito de Deus

"Davi ficou contrariado porque o Senhor, em sua ira, havia fulminado Uzá. Até hoje aquele lugar é chamado Perez-Uzá.
Naquele dia, Davi teve medo do Senhor e se perguntou: "Como vou conseguir levar a arca do Senhor?"

2 Samuel 6:3-9

Obede-Edon recebeu a Arca da Aliança em sua casa depois de um acidente gerado por um ato de “irreverência”  daqueles que a conduziam com destino a Jerusalém.  Mas que ato foi esse? Foi um toque de um daquele que conduziam o carro de bois. Meu Deus!

O rei Davi fez o melhor, usou um carro de boi novo, levou uma banda completa, muita gente estava feliz com aquele evento e acima de tudo as intenções de Davi eram as melhores. Então porque deu tudo errado se tudo parecia estar certo? O que aconteceu?

Davi  na sua empolgação em ter a Presença de Deus em Jerusalém não buscou saber como a Arca devia ser transportada. Somente depois de ter acontecido a morte de Uzá foi que ele perguntou como deveria transportar a Arca da Aliança.

Boas intenções não substituem princípios da Palavra de Deus. Toda aquela alegria de Davi e do povo foi transformada em tristeza. Era a vontade de Deus que a Arca fosse para Jerusalém? Acredito que sim, mas para fazer as coisas de Deus tem um jeito, o jeito de Deus.

Muitas vezes passamos muito tempo da nossa vida fazendo coisas boas para Deus, mas não estão de acordo com o que Ele diz em sua palavra. Quando dá errado perguntamos: como isso foi dar errado, eu estava fazendo o meu melhor para Deus?

Boas intenções do coração não podem substituir os princípios e valores da Palavra de Deus, Davi estava certo de que estava fazendo o seu melhor, por isso ficou tão triste, ele fez tudo lindo, mas não fez do jeito de Deus.

Deus quer que façamos muitas coisas para Ele, mas tudo tem que ser do jeito que Ele expressa em sua palavra.

Que o jeito de Deus seja o nosso jeito.

JM

domingo, 27 de outubro de 2013

Buscando a comunhão

"Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum."
Atos 2:44

Um dos principais pilares da igreja de Cristo é a comunhão, quando lemos o livro de Atos, especialmente os primeiros capítulos, notamos, que a igreja vivia algo muito especial nesta área. Havia pessoas do mundo inteiro reunidas em Jerusalém.

Quando o Espírito Santo veio sobre a igreja a cidade estava cheia. Pedro, cheio do Espírito Santo fez um discurso evangelístico, e o resultado foi a conversão de muita gente.

Várias línguas e culturas diferentes em um mesmo local, grande parte dessas pessoas ficou em Jerusalém, com a finalidade de aprender mais sobre Jesus. O texto diz que estas pessoas tão diferentes viviam em unidade, compartilhavam suas vidas uns com os outros.

Por que hoje temos tanta dificuldade em compartilhar de uma vida assim? Por que vivemos uma comunhão hoje em dia tão superficial? Por que nos contentamos com as musiquetas e os apertos de mão nos cultos de domingo?

Precisamos de uma comunhão que vá além das paredes e dos eventos religiosos. Precisamos experimentar um pouco do que os crentes em Jerusalém experimentaram naquele tempo, uma vida de verdadeira comunhão.

Como a igreja do Senhor precisa disso! Pessoas que são mais do que crentes da mesma fé, mas que são de fato irmão de Sangue, o Sangue de Jesus.

O Espírito Santo é o que pode nos capacitar para isso, pois ele derrama em nosso coração o Amor de Deus.

Que possamos buscar uma comunhão assim!


JM

sábado, 26 de outubro de 2013

Decisão

"Se, porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor".
Josué 24:15

Josué estava diante de um povo indeciso, mas ele tomou uma decisão, ele e a casa dele serviriam ao Senhor. Ele decidiu em detrimento do senso comum. Escolheu a direção e seguiu em frente. Fez de acordo com os valores e princípios que estavam plantados em seu coração.


Muitos vivem tomando suas decisões de acordo com a “maré”, passam a vida olhando a o que outros estão fazendo, são os que seguem as tendências. Josué não esperou para ver qual seria a tendência do povo, disse logo qual era a sua direção, servir ao Senhor!

Se não sabemos para onde queremos ir qualquer lugar tá bom. Filosofia do Zeca Pagodinho: “deixa a vida me levar”. Deus quer que sejamos pessoas como Josué, que decidem por Ele, apesar de qualquer coisa, que são firmes em manter de pé a decisão tomada.

Que não sejam as tendências que determinam as nossas decisões, mas os princípios da Palavra de Deus em nosso coração.

Não sei você, mas eu e minha casa serviremos ao Senhor.

Decisão tomada. Amém.

JM

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A lepra e a insensibilidade, isso tem haver comigo?

Marcos 1.40,41: "Um leproso aproximou-se dele e suplicou-lhe de joelhos: “Se quiseres, podes purificar-me!” Cheio de compaixão, Jesus estendeu a mão, tocou nele e disse: “Quero. Seja purificado!” Imediatamente a lepra o deixou, e ele foi purificado."


Eu estava lendo um dia desses algumas coisas sobre a lepra e seus sintomas e achei algo interessante para destacar aqui.
Entre os sintomas da lepra existe a insensibilidade, o Dr. Paul Brant, passou a sua vida em estudando a lepra, e a sua maior preocupação era encontrar um modo de fazer com que o portador da doença voltasse a sentir dor, ou seja, recuperar a sensibilidade. Que coisa estranha! Mas segundo o Dr. Paul Brant essa era uma maneira de ajudar o leproso, pois a dor o protegeria. Muitos doentes de lepra não têm seus membros, os perderam.

 Eu já fui a um leprosário e vi muitas lá sem os dedos, a língua, os lábios, nariz, olhos entre outros. Estes se encontravam assim exatamente porque não sentiam dor. A doença tira toda a sensibilidade de determinadas áreas, daí a pessoa se machuca, se queima, tropeça, e não sente nada, com isso as feridas se agravam sem a pessoa perceber. Infecções levam à perda do membro ferido, pois quando percebem é tarde demais.
Na bíblia a lepra é uma simbologia para o pecado, ela desfigura, isola, deixa incessível e etc. O pecado faz assim também. Hoje em dia temos vivido algo entre a comunidade cristã que parece muito com este sintoma da lepra que citei: a insensibilidade.

Nós, muitas vezes vemos o que está acontecendo ao nosso redor, mas não sentimos nada, quando muito uma ‘dó’, mas não fazemos nada. O mundo ao nosso redor se deteriora e o que fazemos? Nada. A nossa vida muitas vezes está toda dominada pelo pecado, mas deixamos que permaneça assim, a não ser que este pecado tenha consequências públicas, do contrário vamos levando a vida como dá, sem sentir nada.
Nós precisamos ser tocados por Jesus. Precisamos voltar a sentir dor pelo nosso pecado, pelo pecado do mundo ao nosso redor.

Precisamos sentir o outro. Somos cristãos, mas muitos de nós tem se tornado insensível.
Quanta coisa poderia ser diferente se fossemos mais sensíveis? Como a nossa vida com Deus seria se sentíssemos mais o pecado quando o cometêssemos?

Como precisamos ser tocados por Jesus! Que toda insensibilidade seja curada pelo Seu toque!


JM

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Obediência incondicional

Hb11.8 “Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se a um lugar que mais tarde receberia como herança, embora não soubesse para onde estava indo.”

Muitas vezes obedecemos, mas com muitas reservas e condições. Dizemos ao Senhor: “eu vou, mas...”; “eu faço se...” e por aí vai a nossa obediência condicionada. Que tipo de servos somos nós? Servo quer dizer escravo, não executivo! Escravos fazem aquilo que seu dono/Senhor manda, sem reservas nem condições.

Quantos de nós já sabemos o que fazer, mas não demos nenhum passo ainda na direção do que o nosso senhor quer que façamos, esperando que portas se abram, que recursos cheguem, que pessoas se levantem, que o noivo ou noiva apareça e etc. 

Abraão teve que romper com tudo que pudesse dar alguma segurança pra ele, veja Gn 12.1:  “Então o SENHOR disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei.”

Ele teve que deixar não apenas o seu endereço, mas tudo que se relacionava a segurança de uma pessoa: família, cultura, valores, costumes e história. Obedecer com um mapa e todas as garantias na mão é fácil, mas a fé na verdade é um salto no escuro, em que a única garantia é a confiança no caráter de Deus.  Andar pela fé é sair só com a passagem de ida para um lugar desconhecido.

Você tem sido obediente ao Senhor?

JM

Amigo de Deus

Tg 2.23: 23 Cumpriu-se assim a Escritura que diz: “Abraão creu em Deus, e isso lhe foi creditado como justiça”, e ele foi chamado amigo de Deus.

Como é bom ter amigos! Pessoas sem amigos são pessoas solitárias. Muitos de nós temos muitos colegas, conhecidos, mas amigos são poucos.
Amigos são aqueles que estão presentes em todos os momentos da nossa vida, bons e ruins. Mas é preciso saber que a amizade se não for cultivada passa, se vai. A amizade é como um jardim, que requer muitos e constantes cuidados.

Abraão foi chamado amigo de Deus, não apenas pai da fé, mas amigo de Deus. Ele cultivava a sua amizade com o Senhor. Amigos são pessoas que conhecemos bem, que confiamos e tememos decepcionar. 

Abraão foi amigo de Deus, que coisa linda! Conhecia e era conhecido de Deus. Um bom amigo.

Você é amigo de Deus? Tem intimidade com Ele?

Que possamos ser amigos de Deus.

JM

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Confiança plena

"Pela fé, Abraão — e também a própria Sara, apesar de estéril e avançada em idade — recebeu poder para gerar um filho, porque considerou fiel aquele que lhe havia feito a promessa."
Hebreus 11:11

Confiança é algo imprescindível àquele que viver pela fé fazendo a vontade de Deus. O Senhor é digno de toda nossa confiança, Abraão sabia disso. Ele sabia que apesar da sua idade avançada, da fragilidade do seu corpo físico ele podia deixar toda segurança de sua família e partir com sua esposa para o desconhecido da fé, e ainda mais, acreditar que podia ser pai de muitas nações mesmo tendo uma esposa idosa e estéril.

Ele confiava, mas não era ignorante, sabia das suas condições físicas, Rm 4.18-21 diz que Abraão sabia muito bem dos seus limites, mas se fortalecia dando glória a Deus. Isso o fortalecia. Ele se conhecia.

Abraão sabia muito bem a que servia, e a sua confiança era tal que o texto de Hb 11.17-19 diz que Ele ofereceu o seu próprio filho em sacrifício. Ele cria que Deus podia trazer das cinzas o seu garoto.

Isso é confiança plena! Ele conhecia a Deus.

Confie naquele que lhe chamou, tenha fé Ele é fiel! 

Se fortaleça dando glória a  Deus! Diga : Glória a Deus! Glória a Deus! Glória a Deus!

Seja fortalecido na sua fé!

JM


domingo, 20 de outubro de 2013

Que diferença faço? Dorcas, o que posso aprender?


"Em Jope havia uma discípula chamada Tabita, que em grego é Dorcas, que se dedicava a praticar boas obras e dar esmolas."

Tem gente que faz diferença! Estou me lembrando de uma discípula de Jesus, seu nome era Dorcas (Tabita). Ela não aparece como uma grande pregadora, pastora, musicista, apóstola, bispa, matriarca ou diaconisa. Não escreveu nenhum livro, mas é chamada de discípula, mas o que ela fazia então como discípula? Costurava vestidos. Era conhecida em Jope, sua cidade.

No dia de sua morte muitas mulheres estavam chorando a vida desta mulher, pois tudo o que vestiam era Dorcas que havia preparado para elas com o seu talento, o de costurar. Elas choravam mostrando suas roupas que haviam sido preparadas por aquela que agora estava diante delas sem vida. Dorcas se foi!
Que diferença a vida de dela fazia! Empregou o seu talento para abençoar as mulheres pobres da sua comunidade. As pessoas queriam Dorcas de volta! Não pelos vestidos, mas por que ela era. Porque pessoas que empregam suas vidas para servir são especias.

As pessoas choravam, Deus as ouviu, usou a Pedro e ressuscitou aquela discípula de Jesus que tanto fazia diferença para sua comunidade.

Pergunto-me: o que tenho feito com os talentos que o Senhor me deu?  Será que se eu morrer hoje, a minha vida até aqui fez alguma diferença? Alguém vai desejar (além de minha família) que isso não tivesse acontecido? Servi ao Senhor com o que Ele me deu?

E você?

JM

Depois de adorarmos, voltaremos ...

"Disse ele a seus servos: "Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o rapaz vamos até lá. Depois de adorarmos, voltaremos".

 “Voltaremos”  ... Abraão disse isso aos seus servos. Ele e só ele sabia o que Deus havia lhe falado, o Senhor lhe pediu Isaque em sacrifício, em holocausto. Você sabe o que significa holocausto? É queimar até as cinzas. Então o Abraão estava doido? Não, a bíblia diz lá em Hebreus 11 que Abraão cria que Deus poderia trazer seu filho de volta das cinzas. Abraão não esperava que o Senhor fosse lhe dar outro filho depois de sacrificar Isaque, não, ele disse aos servos dele que voltaria junto com Isaque depois de adorar (oferecer holocausto). 

Fé é confiar caráter de Deus. Abraão confiava em Deus, e Isaque confiava em seu pai. Quando Isaque perguntou sobre o cordeiro para o sacrifício Abraão disse para ele que Deus proveria para si o cordeiro, Isaque confiou.

Mas seu pai levou a ordem de Deus às ultimas consequências, amarrou o menino sobre o altar, levantou a faca para matar o garoto, mas na hora ‘H’ o Senhor o faz parar. Isaque já tinha sido entregue a Deus. No coração de Abraão o sacrifício já havia sido realizado.

Eu preciso aprender muita coisa com Abraão, mas o que destaco aqui são duas coisas, a primeira é confiar no caráter de Deus, Ele é fiel. Ainda que eu olhe tudo ao meu redor e não veja nenhum cordeiro, eu preciso confiar que Deus proverá para si o cordeiro.

A segunda coisa que aprendo aqui com o Pai da fé é que a benção ou promessa alguma é mais importante do que o meu relacionamento com o Senhor. Abraão era amigo de Deus, tudo que ele tinha era de Deus, inclusive Isaque, pois se não fosse um milagre ele não estaria ali.

Mas e a promessa feita a Abraão? Deus proveu para si o cordeiro.

Aquele que a fez é poderoso para cumprir!

Confie no Senhor, seja amigo dele.
JM


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A Mesa me espera

"Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem.
Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos. Tu me honras, ungindo a minha cabeça com óleo e fazendo transbordar o meu cálice."

Salmos 23:4-5
Estou me lembrando do Salmo 23, especificamente no verso 4, que fala do vale da sombra da morte. Philip Keller diz em seu livro Nada me faltará que tal vale é o caminho que o pastor faz com o rebanho até a Mesa, pastagens fabulosas que em determinadas épocas do ano estão completamente verdes e frescas para o rebanho, ficam na parte mais alta, estas Mesas são as pastagens que salvam o rebanho da escassez nas partes baixas durante um período do ano.
As mesas estão na parte mais alta da região, logo existe um trajeto longo para se fazer. Muitas vezes este caminho parece nunca acabar, é assustador, é o vale da sombra da morte, é onde todos os medos e traumas são expostos, os maiores inimigos quase conseguem nos tocar. Isso dá calafrios...
Apesar de todo o terror que minha alma  encontra no vale da sombra da morte eu encontro segurança em uma doce voz que em todo tempo está presente durante o trajeto, em alguns momentos, mais próxima em outros mais distante um pouco, mas sempre está ali, para me confortar, me guiar, me dar segurança.
A doce voz do meu Pastor é que me inspira confiança pra continuar caminhando no vale apesar do medo... Ele está comigo, e com você também.
JM


Pedras ao chão

"Então Jesus pôs-se de pé e perguntou-lhe: "Mulher, onde estão eles? Ninguém a condenou?"
João 8:10

Um dia levaram uma mulher até a presença de Jesus para que ele a julgasse e promulgasse uma sentença sobre ela. A acusação era de adultério, que segundo a lei de Moisés a pena era o apedrejamento.
Jesus não a acusa, mas também não a defende, apenas argumenta. Ele disse: “ Quem não tem pecado que atire a primeira pedra.” Se ele dissesse quem não comete ou cometeu adultério, tenha certeza, muitas pedras iam cair sobre a pobre mulher.

Todos nós temos a cultura de categorizar pecados, uns piores, outros menos piores, uns graves, outros brandos e assim por diante. Mas Jesus foi ao ponto, pecado é pecado. O seu argumento deixou todos de queixo caído, as mãos se abriram e as pedras foram ao chão. Todos tinham algum tipo de pecado.
Ninguém podia condenar aquela mulher, só quem podia era Jesus, pois era o único sem pecado, mas Ele não o fez, disse:  “...eu não lhe condeno.”

Ele escolheu perdoar, e não condenar. Ele escolheu nos receber em Seu Reino e não nos afastar para sempre dele, por causa do pecado. Ele escolheu ser condenado em nosso lugar, recebendo em si a paga por nosso pecado, escolheu morrer para nos dar vida e vida com sobra. (Jo 10.10) Isso é a graça.

Não condene, perdoe. Receba em seu coração o poder de amar como Jesus. Olhe como Ele para aqueles que têm faltas, pecados e falhas. Isso é a graça.

Que o Senhor nos ajude!
JM



Manhã de alegria


“O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” Salmos 30:5b

O Salmista escreveu que o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, mas quando estamos em uma noite de choro, ela parece não ter mais fim.
Imagine como foi longa a noite das irmãs de Lázaro, quatro dias morto, e nada de Jesus aparecer. Imagine os discípulos apavorados num barco no meio de uma devastadora tempestade? E a noite anterior à crucificação de Jesus? E os dias de túmulo?

Sem dúvida que a alegria vem pela manhã, mas muitas vezes a manhã de alegria parece estar distante demais de nós. Talvez você esteja vivendo uma semana muito difícil, e para o fim de semana não há nem um tiquinho de esperança,  parece ser uma longa noite.

Eu quero animar a você, que por mais longa que seja a noite de choro, a alegria certamente virá.  Jesus está indo ao seu encontro, creia nisso! Confie sua vida a Jesus, Ele tudo pode mudar, a manhã de alegria está  presença dele.

Que haja manhã de alegria!

JM

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Um clamor à beira do caminho

"Quando ouviu que era Jesus de Nazaré, começou a gritar: "Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! "
Muitos o repreendiam para que ficasse quieto, mas ele gritava ainda mais: "Filho de Davi, tem misericórdia de mim! "
Jesus parou e disse: "Chamem-no". E chamaram o cego: "Ânimo! Levante-se! Ele o está chamando".


Marcos 10:47-49

Um cego à beira do caminho, um  mendigo que é conhecido na bíblia apenas como filho de Timeu (Bartimeu). Ele não via nada, mas ouviu falar que o Senhor ia passar por ali. Não tinha nada de especial para oferecer, mas tinha em seu coração um desejo, um grito. Ele queria voltar a ver. Não era um ambicioso que desejava muitas coisas, mas sabia muito bem o que queria.

Quando Jesus ia se aproximando ele pode ouvir o tropel da multidão, que não o intimidou em nada, começou a gritar bem alto: “ Jesus filho de Davi, tem compaixão de mim!” Muitas pessoas fora até a ele e lhe disseram que o protocolo não era esse, mas ele não estava nem aí para o protocolo, gritava. Mandaram que ele se calasse, mas ele gritava mais alto ainda.
 Tem gente que anda com Jesus que está mais preocupado com o protocolo do que com as necessidades dos que se encontram a beira do caminho. 

Jesus é diferente, Ele não está nem aí para o que o protocolo diz, Ele que abençoar aos que tem necessidades.  Ele parou, mandou que alguns dos seus fossem lá para buscar o homem, o tal filho de Timeu.
Quando chegou perto de Jesus veio a pergunta: “Que queres que eu te faça?”  Ele sabia o que pedir, e a resposta foi imediata: “Que eu volte a ver.”m O que aconteceu? Ele voltou a ver!

Na multidão que seguia a Jesus tinha dois tipos de pessoas, os que mandaram que o home se calasse, pois não era daquele jeito que se acessava o Mestre e aqueles que foram até ele e o animaram, o conduziram até a presença de Jesus.

Eu quero ser daqueles que se importam com quem está a beira do caminho clamando por Jesus, do segundo grupo. Quero valorizar as pessoas como Jesus valoriza.

Seja assim também, seja parecido com Jesus.

JM