Livro_Pensando_a_vida

Livro_Pensando_a_vida

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

De “Roma” a “Jerusalém”, um retorno necessário

Talvez este título tenha lhe deixado um pouco intrigado, quem sabe está agora se perguntando: “Que negócio é este de ‘Roma’ e ‘Jerusalém’?” 

Quando fazemos uso destas duas cidades estamos usando uma metáfora: Roma significa um sistema eclesiástico não bíblico e Jerusalém uma eclesiologia fundamentada nos mais sólidos princípios bíblicos; devemos deixar de lado o que não é bíblico (Roma) e retornarmos aos princípios que nortearam a Igreja do Senhor no seu início (Jerusalém). Este é o caminho que necessita ser feito por todos nós: deixar a eclesiologia romana e retornar para os princípios bíblicos.

Quando olhamos para o modelo de Igreja que temos hoje e para a Igreja que temos na Bíblia, percebemos tantas diferenças que ficamos até espantados, mas logo passa, pois, temos uma cultura “romanizada”, então não nos importamos, é até confortável. Tal modelo foi sendo criado a medida em que a Igreja foi se “mundanizando”, e o resultado não foi nada bom, mas nos acostumamos. 

Precisamos não apenas de uma igreja que pregue bem a bíblia, mas que também seja mais bíblica, que se aproxime mais daquilo que os primeiros cristãos viveram. O nosso modelo deve ser o que está no Novo Testamento, aquele é o nosso paradigma de Igreja. Existe muita coisa que é cultural no contexto do Novo Testamento, mas os princípios encontrados ali são aculturais e atemporais.

O que buscamos quando pensamos em células ou “pequenos grupos” é apenas uma volta aos princípios que nortearam a Igreja do primeiro século, que nasceu em Jerusalém e dali para o mundo. Quando falamos neste retorno nos vemos em uma Igreja que realmente vive os princípios do Novo Testamento. 

As palavras “uns aos outros” ganham sentido em nosso meio, começamos a viver e a experimentar a verdadeira comunhão; com a qualidade bíblica certamente o crescimento bíblico também virá. O retorno é um desafio para cada um de nós, pois isto em nossos dias é andar na contra – mão. É um verdadeiro desafio.

Que possamos buscar juntos a cada dia fazer este retorno! 

Um abraço,JM

Nenhum comentário: